História

A história do Porto de Natal, do Terminal Salineiro de Areia Branca e da Companhia Docas do Rio Grande do Norte é um marco para a história do próprio Estado do Rio Grande do Norte.

O projeto inicial do Porto de Natal foi aprovado em 14 de dezembro de 1922, através de decreto. No entanto, só dez anos depois, em 1932, o decreto de número 21.995, assinado pelo presidente Getúlio Vargas, à frente do Governo Provisório da República dos Estados Unidos do Brasil, cria o Porto de Natal. No dia 21 de outubro desse mesmo ano o decreto é publicado no Diário Oficial da União, mas a solenidade oficial só ocorreu em 24 de outubro. A obra foi gerenciada pelo engenheiro Hildebrando de Góis que na época chefiava a extinta Inspetoria Fiscal dos Portos, Rios e Canais com sede no Rio de Janeiro. O engenheiro Décio Fonseca foi o primeiro administrador do Porto de Natal.

Já o Terminal Salineiro de Areia Branca foi inaugurado no dia 1º de março de 1974. Construído de aço, em alto mar, com aproximadamente 15 mil metros quadrados, ele passou a ser o  principal ponto de escoamento do sal produzido no Rio Grande do Norte. A primeira operação ocorreu no dia 04 de setembro de 1974.

Na construção desse terminal foram investidos 35 milhões de dólares. O projeto de engenharia da empresa americana Soros Associates Consulting Engeneers ganhou o reconhecimento internacional pelas entidades de engenharia marítima e foi considerado um dos dez melhores projetos em todos os ramos da engenharia. É uma obra pioneira em toda a América Latina. O Porto Ilha é retangular, mede 92 metros de largura e 166 metros de comprimento. Foi aterrado com material coralíneo tirado da região e coberto com um piso de sal para garantir a pureza do produto armazenado.

Hoje responsável pela administração dos portos de Natal, Maceió e Areia Branca, a  Companhia Docas do Rio Grande do Norte – CODERN, empresa de economia mista, vinculada ao Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil, foi criada através do Decreto de nº 66.154, de 03 de fevereiro de 1970, publicado no Diário Oficial da União em 06 de fevereiro do mesmo ano.

Inicialmente ela foi chamada de TERMINAIS SALINEIROS DO RIO GRANDE DO NORTE – TERMISA. No dia 20 de janeiro de 1978 passou a ter uma nova denominação por decisão de uma assembléia geral de acionistas: Companhia Docas do Rio Grande do Norte – CODERN.

A partir de 1983, seguindo a determinação de uma Assembléia Geral de Acionistas da PORTOBRÁS de 06 de abril de 1981, a administração do Porto de Natal passou a ser uma atribuição da Companhia Docas do Rio Grande do Norte – CODERN.